0927

O supérfluo não é, por certo, indispensável à felicidade, mas não se da o mesmo com o necessário. Ora, a desgraça daqueles que estão privados do necessário não é real?

O homem não é verdadeiramente desgraçado senão quando sente a falta daquilo que lhe é necessário para a vida e a saúde do corpo Essa privação e talvez a conseqüência de sua própria falta e então ele só deve queixar-se de si mesmo. Se a falta fosse de outro, a responsabilidade caberia a quem a tivesse causado.